Como funciona Acompanhamento escolar Perguntas frequentes Calculadora PAS Professor Criar conta / Entrar
Blog Colmeia
Meu filho pode tomar café?

Tomar uma xícara de café é um hábito comum entre a maioria das famílias brasileiras. A cafeína presente nessa xícara é a substância psicoativa mais consumida no mundo. Com efeito principal no sistema nervoso central, drogas psicoativas estimulam a função cerebral e temporariamente muda a percepção, o humor, o comportamento e a consciência das pessoas. A maioria das pessoas tem a sensação de prazer e conforto ao tomar café, mas será que isso se aplica ao seu filho?

O café tem muitos benefícios, como antioxidantes, minerais, vitaminas e pode até deixar a criança mais desperta na hora da lição de casa. Segundo o pediatra Antranik Manissadjian, do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, o ideal é deixar a criança conhecer a bebida só depois dos dois anos de idade e apenas por meio de poucos goles. A partir dos seis anos, ela pode beber uma xícara por dia no máximo. “O ideal é que a bebida seja mais fraca e oferecida com mais leite do que café ((¾ de leite para ¼ de café)”, informa. Dessa forma, a criança se satisfaz com a quantidade da bebida, ingere menos cafeína e mais cálcio e zinco.

Se tomado em demasia, a cafeína presente na bebida (além de ser estimulante) pode atrapalhar na absorção de ferro e levar à anemia. Em excesso, ela causa insônia, agitação, irritabilidade e dores no estômago. O consumo não é recomendado para crianças com déficit de atenção e/ou hiperatividade A pediatra Ana Escobar, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), aconselha: “(…) para crianças nessa condição, a gente evita qualquer tipo de estimulante do sistema nervoso central”. Refrigerantes de cola e chá preto são outros exemplos de bebidas ricas em cafeína, que, portanto, são contra-indicadas para crianças.

Saber dosar a quantidade de café que seu filho ingere é o ponto crucial de toda discussão acerca do tema. Se optar por introduzir café no cotidiano do seu filho, certifique-se de observar qualquer alteração no comportamento dele, bem como reclamações de queimação no estômago e palpitações mais intensas.

Gostou dessa publicação? Compartilhe!

Compartilhar