Solicite atendimento por WhatsApp!
Nosso
Blog
Aqui estão textos e conteúdos ligados à educação publicados por nossa equipe pedagógica e professores.
Depressão na adolescência durante o período escolar: conheça as principais causas

A adolescência é um período de descobertas e intensas transformações hormonais, sociais e culturais. É nessa fase que as cobranças começam a se intensificar em relação às decisões do futuro: vestibular e escolha da profissão são apenas algumas delas.

Para os pais, acompanhar esses progressos exige atenção constante à vida e ao comportamento dos filhos. Em adolescentes, toda a pressão pode desencadear em problemas psicológicos sérios, dentre eles, a depressão, doença altamente incapacitante que possui sintomas como falta de ânimo, desconcentração, tristeza profunda e pode levar até mesmo a pensamentos suicidas.

pessoa segurando um papael com carinha feliz e outro com carinha triste

Segundo a Associação Brasileira de Psicanálise, cerca de 10% dos adolescentes brasileiros sofrem com a depressão na adolescência, inclusive, um dos desencadeadores do transtorno é a pressão exercida no ambiente escolar, mas essa não é a única causa. Fique atento aos sinais que o adolescente emite e conheça outros fatores que podem levar ao surgimento da doença:

#Estresse e competição excessiva geram a depressão na adolescência

O nosso sistema de ensino é pautado por resultados. Tanto a escola quanto os alunos precisam tangibilizar as suas habilidades, pois ambos são avaliados durante o período letivo. Esse sistema muitas vezes apresenta falhas em lidar com o equilíbrio entre as cobranças cognitivas e o respeito aos limites emocionais e físicos dos estudantes.

Se o seu filho começar a emitir sinais de exaustão frequente, ansiedade exagerada e pensamentos pessimistas por não dar conta de todas as demandas, é hora de reavaliar o ambiente escolar. Cheque se a escola é preocupada com o lado humano do jovem ou se é um ambiente de pressão exacerbada e competição constante.

Converse com professores, psicopedagogos e profissionais que podem direcionar o melhor caminho para lidar com a educação desse jovem. Não deixe que ele perca a saúde mental tentando se adaptar ao sistema.

#Comparação

O seu filho tem o seu próprio ritmo. Uma das principais causas que pode levá-lo ao esgotamento é a comparação constante, seja no ambiente escolar ou fora dele. Se os resultados que ele apresenta são constantemente comparados aos do colega, primo ou irmão, é bem provável que isso diminua a sua autoestima, que certamente já está sendo afetada por questões neurobiológicas da própria fase da adolescência.

A autoestima baixa é um dos sintomas da depressão na adolescência, porém, pode agir também uma das causas para a patologia, por isso, o melhor caminho é evitar os comentários comparativos. Ao invés disso, foque em incentivar o seu filho a buscar a melhor versão de si mesmo.

#Bullying na escola

Esse é um dos principais fatores e, por isso, é também um dos mais estudados. Especialistas apontam que o bullying feito por colegas pode atingir para sempre a vítima, inclusive, a longo prazo ele pode levar à depressão, ansiedade e problemas de socialização na fase adulta.

Segundo informações retiradas da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 7,4% dos 2,6 milhões de estudantes que cursaram o 9º ano do ensino fundamental em 2015 – aproximadamente 195 mil alunos – confirmaram que sofreram bullying por parte dos colegas. Ou seja, é uma realidade frequente nas escolas e que precisa ser discutida constantemente no ambiente familiar.

Um estudo feito no Hospital Infantil de Boston, nos EUA, concluiu que quanto mais longo é o período em que o adolescente é exposto aos maus-tratos do bullying, mais grave e prolongado é o impacto sobre a saúde da vítima. Portanto, a dica para os pais é prestar atenção no comportamento do filho: se ele se isolar, apresentar comentários de autodepreciativos, evitar os contatos sociais e perder o interesse nas atividades escolares, um alerta precisa ser acendido.

#Desempenho aquém do desejável

A dificuldade com a aprendizagem precisa ser diagnosticada, pois ela pode ser causa ou consequência da depressão na adolescência. A análise do quadro por um especialista pode ajudar a entender o que está acontecendo com o jovem.

No caso de ser a causa, é preciso verificar o que o impede de se sair bem na escola, tente conversar com o seu filho e com os professores dele para analisar o que está acontecendo e descubra soluções para que o desempenho seja melhorado, isso com certeza dará ânimo ao jovem e o incentivará na sua vida acadêmica.

#Sintomas de fácil identificação não eliminam o diagnóstico profissional

Todas as situações que desencadeiam a depressão podem gerar um quadro com sintomas bastante característicos, dentre eles, estão:

  • A dificuldade de concentração;

  • Fadiga;

  • Irritabilidade;

  • Mudanças de humor;

  • Baixa autoestima;

  • Sentimento de tristeza profunda;

  • Transtornos alimentares;

  • Tédio;

  • Tristeza profunda;

  • Pensamentos suicidas.

Que podem se converter em comportamentos como:

  • Baixo rendimento escolar;

  • Perda de interesse nas atividades que o jovem sentia prazer;

  • Comportamento autodepreciativo;

  • Isolamento social.

Por isso, muitos pais consideram que sozinhos podem diagnosticar e resolver o problema, porém, somente um profissional capacitado poderá ser preciso sobre os fatores e tratamentos dessa doença. Nunca é demais lembrar que as causas da depressão podem ser inúmeras e que nem sempre estão ligadas apenas aos acontecimentos escolares, portanto, nada de conclusões precipitadas sobre o que está acontecendo com o seu filho, a melhor opção é procurar a orientação de um especialista.

#Em todo caso, ofereça apoio

Seja qual for a causa, o apoio familiar deve ser uma das fontes para o tratamento do quadro. Se o que está afetando a saúde mental do jovem for a cobrança excessiva por parte da escola, tente conversar com os professores e buscar o melhor caminho para não deixar que o estresse e o clima de competição prejudique a saúde do seu filho. Se for o bullying, o melhor é começar a trabalhar isso em conjunto com a escola e psicólogos.

Saliente-se de que a depressão é uma doença, que em todo caso precisa de diagnóstico médico, pois também envolve questões biológicas e químicas, tratadas com medicamentos e terapia.

Seja qual for o diagnóstico, o amor, compreensão e cuidado oferecido pelos pais na conturbada fase da adolescência sempre irão proteger a saúde mental e emocional do jovem.

Faça da sua família uma rede de apoio para que os valores e vínculos sejam consolidados, independentemente das pressões que a fase apresenta.